Latest News

terça-feira, 28 de maio de 2013

"Irmão Lobo", de Carla Maia de Almeida (Diário Digital)


http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=633061




“Irmão Lobo” é lobo com pele de cordeiro.

A falência de uma família, sobrecarregada com dívidas e castigada pelo desemprego, é dramática. Quando a mesma família é composta por um filho adolescente, uma filha quase adolescente e uma menina ainda criança, além do pai e da mãe, então o dramatismo intensifica-se.
Carla Maia de Almeida (n. 1969, Matosinhos), no seu 6º livro, utiliza este cenário tão contemporâneo na construção de uma narrativa que incomoda e contraria o comodismo do leitor. Ao contrário do que se possa supor, “Irmão Lobo”, editado pela Editora Planeta Tangerina, não é um livro infantil. “Irmão Lobo” é um livro sobre o amargo mundo dos adultos visto através da perspectiva fantasista e doce de uma criança.
“Bolota”, a filha mais nova, conta a lenta destruição da sua família, utilizando, para tal, dois tempos paralelos (passado próximo e passado mais distante) que virão, perto do fim do livro, a juntar-se. Os diferentes tempos são bem geridos pela autora, pois esta estratégia clarifica acções e intensifica os aspectos emocionais. Se tal não bastasse, a produção gráfica do livro denota o cuidado em ajudar o leitor na descodificação do enredo: páginas azuis para o passado mais recente; páginas brancas para o passado mais distante.
O facto de ser uma menina que se debate com sentido dos acontecimentos atribui maior complexidade emocional à história.
“Tenho 15 anos e estou a um passo de começar a minha vida, mas ainda não tive tempo de compreender tudo o que me aconteceu até agora” pág. 11
Será com ela que o leitor chegará ao fim do que a própria denomina de “Grande Travessia no Deserto da Morte”. Durante esse trajecto, o leitor assiste à morte do mito e ao triste desaparecimento da ingenuidade. Lentamente, Bolota vai desmantelando a fantasia, tão bem demonstrada pelas alcunhas que atribui a cada estado anímico de cada membro da família, até ter de enfrentar a realidade tapada pela teatralidade.

“As outras famílias colecionavam festas de aniversários, fotografias de Natais felizes, férias no Algarve, eletrodomésticos, que faziam tudo e cartões de desconto do hipermercado. Nós colecionávamos alcunhas. E créditos bancários. Eram as únicas maneiras de mantermos o nosso teatro a funcionar” pág. 21
Nesse “teatro”, o pai é, para “Bolota”, o chefe da “tribo”, a quem ela chama de “Alce Negro”. O pai representa a força moral, a coragem e o sonho. Ele é capaz de vencer todas as dificuldades, apesar do alheamento adolescente dos irmãos e do frio pessimismo da mãe.
O território da família vai diminuindo conforme se mudam para apartamentos cada vez mais pequenos, mas Bolota mantém a idolatria pelo pai. Ele é o líder da tribo. Até cair.
E é aqui que Malik, o husky que vive com a família, ganha importância fulcral no livro.
Quando Malik, o “Irmão Lobo”, ladra a “Alce Negro” e este recua com medo, a queda do mito inicia-se. A partir desta ocasião, as circunstâncias vão sendo clarificadas e afastadas da perspectiva romântica. O fim já havia começado, mas só nesse momento “Bolota” ganha consciência disso.
A prosa de “Irmão Lobo” sugere mais do que aquilo que mostra. A autora deixa na penumbra o que cabe ao leitor descobrir.
É, de facto, um jogo de luz e sombra muito bem ilustrado por António Jorge Gonçalves.
Carla Maia de Almeida, autora já publicada no Brasil, Holanda e Colômbia, apresenta um livro muito diferente do anterior, “Onde Moram as Casas” (Caminho, 2012). “Irmão Lobo” mostra que o maior drama pode residir nas coisas mais simples, ou nas pessoas que são mais próximas.
Depressa o leitor chegará à conclusão de que nada é o que parece.
“Irmão Lobo” é lobo com pele de cordeiro.




Mário Rufino
Mariorufino.textos@gmail.com


Irmão LoboIrmão Lobo by Carla Maia de Almeida

My rating: 4 of 5 stars


O meu texto, para o Diário Digital, sobre o livro de Carla Maia de Almeida.
Ide Ler, ou sereis chicoteados.



http://www.diariodigital.sapo.pt/news...



View all my reviews

Sem comentários:

Recent

Random