Latest News

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Escritaria 2014: Dias de Louvor



O silêncio do Sameiro permite o chamamento pelos sinos, formais e seculares, dos crentes. O caminho para a igreja é ingreme, sublinhado por muitas escadas, até desaguar num pequeno pátio defronte da igreja. É domingo de Escritaria.
Este vazio, demarcado pelas badaladas das horas, é o mesmo vazio que existe antes de ser preenchido pelo verbo. É o espaço uterino da criação. E a criatura tem horror a esse limbo sem espaço nem tempo.
A palavra é angular em celebrações. No dia anterior, na conferência sobre Lídia Jorge, amigos e admiradores juntaram as vozes em louvor; à noite, Padre Anselmo Borges apresentou, em 4 andamentos, “O Organista”, da autora homenageada; o islâmico Slimani agradeceu a Alá, sob os cânticos dos aficionados, os dois golos marcados ao Penafiel no Estádio Municipal 25 de Abril.
A revolução dos cravos esteve presente nas músicas e nas letras do grupo de teatro “Andaime”, que interpretou obras de homenageados anteriores.
A palavra é o espelho, recipiente e agente transformador da realidade. A ela recorreram os conferencistas, nos dias 04 e 05, para enaltecer a capacidade e complexidade criativa de Lídia Jorge.
A mestria literária é suplantada pelos afectos, e a classe e beleza da autora encontra eco na sua prosa.
Penafiel tatuou em si a criatividade de Lídia Jorge. O amor está presente na pedra.

Lídia Jorge observou-se na visão dos outros. E gostou, certamente, do que viu. A escritora povoou Penafiel com as suas personagens, criou tempos paralelos e realidades provisórias nas realidades e tempos da vida dos penafidelenses. Agora, foi Penafiel a criar e habitar um espaço perene na memória da autora portuguesa. 


O Planeta Livro esteva na Escritaria 2014 a convite da Câmara Municipal de Penafiel e do Blogue Morrighan. A todos, muito obrigado.

Até 2015

Mário Rufino
video








Sem comentários:

Recent

Random