Latest News

sábado, 4 de outubro de 2014

Escritaria 2014: A pena fiel de Lídia Jorge.





Cidade de igrejas, devota à palavra de Deus, Penafiel entrega a sua voz, as suas ruas, o seu tempo à Literatura de Lídia Jorge.
O som vibrante dos sinos reclama a atenção dos crentes e marca o ritmo diário dos penafidelenses. As palavras espalhadas pelo chão, rasteiras, envolvem os passos, seduzem o Homem e apelam a entrega da crença humana à sibilante magia da ficção.
Cartazes espreitam no interior das lojas. Fotos penduradas dançam com o vento. Pássaros de papel espalham a sua sombra sobre os espectadores do teatro de rua.
A prosa de Saramago, Lobo Antunes, Urbano Tavares Rodrigues, Mia Couto, Agustina tem a sua voz nas vozes dos actores. Crianças da escola primária, estudantes universitários, lojistas e clientes presenciam a conjugação de diferentes universos nas avenidas, ruas e becos da sua cidade. Os anteriores homenageados sublinham, de 01 a 05 de Outubro, a criação literária de Lídia Jorge.
Não há o dia dos prodígios, mas 5 dias entregues à demonstração por Penafiel de que a vida de uma mulher, que em criança viu partir o pai e o avô, valeu a pena. A criação fragmentou-se em milhares de partículas de luz e iluminou, através do mutável e complexo organismo que é a literatura, os cantos escuros do desentendimento, da torpeza e da solidão.
Bem podem os sinos clamar. A cidade é de Lídia Jorge. A Escritaria celebra e homenageia a carreira literária de uma das maiores escritoras portuguesas da actualidade.
As palavras são mais do que murmúrios. O ferro gravou as palavras de Lídia Jorge em chão de pedra, defronte de um portal para outros e múltiplos tempos: A biblioteca Municipal de Penafiel.


O descerramento da frase marcou, ontem, o chão da cidade. Até chegarmos a estas palavras, ouviu-se, durante a procissão do Museu Municipal de Penafiel até à Biblioteca Municipal, vozes de estudantes e de anciãos, viu-se pinturas e fotografias, enquanto as máquinas guardavam as imagens dos fotógrafos.
A cidade foi descontaminada da ditadura da realidade e entregue ao algoritmo de descodificação psicológico e cultural: a literatura
A Escritaria de 2014 é um conjunto de sinais memoráveis. Fernando Alves, já a noite se tinha instalado, apelava, em entrevista, à recordação pela autora do inicial nevoeiro visto por ela e sua mãe. Do nevoeiro, da necessidade de se perder da sua figura maternal, da já mencionada ausência de uma figura masculina, das matriarcas literárias Sophia e Agustina, enfim, das imagens que a formam.
Durante 90m, a escritora Lídia Jorge falou sobre a sua formação como escritora e como leitora.

  Ambas, assegurou, são fruto da lentidão, precisam de tempo para amadurecerem, numa simbiose entre texto, criador e recriador. O texto é para o leitor aquilo que o leitor consegue ser no momento da leitura.

Lídia Jorge é Literatura.




Mário Rufino

Sem comentários:

Recent

Random