Latest News

sábado, 18 de outubro de 2014

"No Coração da Tempestade", de Jesmyn Ward



Em Agosto de 2012, um furacão devastou Nova Orleães, causando muitas vítimas. Katrina, de seu nome, viria a marcar a realidade, o imaginário e a literatura norte-americana. Jesmyn Ward (n. Mississípi; 1977) fez desse acontecimento uma metáfora sobre a capacidade de regeneração da natureza e da resiliência da vida humana. Em “No Coração da Tempestade” (Porto Editora), o furacão irá transformar as relações entre membros de uma família disfuncional.
Randall, que procura seguir carreira de basquetebolista, Skeetah, o dono da pit bull China, Esch  (narradora) e Júnior (irmão mais novo) são filhos órfãos de mãe. Eles estão entregues ao pai alcoólico e agressivo.
Será a voz de Esch, a única rapariga, a narrar a história, traçando vários paralelismos com a mitologia grega. Os mitos de Jasão e de Medeia indiciam a iminente tragédia na vida desta família negra de Nova Orleães. A dicotomia de Medeia está presente nas múltiplas manifestações da ligação entre vida e morte, destruição e construção, violência e afecto, ausência e presença.
Essa interdependência entre radicais opostos é detectável na morte da mãe durante o parto de Júnior; na matança das crias doentes pela cadela China para salvar os saudáveis; na notícia de uma gravidez logo depois de um acidente mortal; na distância afectiva entre pai e filhos em contraste com o cuidado destes para com as crias de China; no renascimento do vínculo afectivo quando tudo é arrancado pelo vento e pela água.
Nas vésperas do caos, o corpo adolescente de Esch explora a sexualidade e sente-se dominado pela paixão. A descoberta feminina do prazer acontece em simultâneo com a entrada no mundo dos irmãos, onde a luta de cães é o equivalente, mas negativo, do êxtase sexual e da possibilidade de domínio.
A catástrofe já aconteceu há muito tempo naquela família. Com a morte da mãe, os filhos ficaram entregues a si próprios. A displicência paterna piorou a situação de pobreza e entregou a sobrevivência de todos, inclusive a sua, à resiliência dos 4 irmãos.
A maior esperança na concretização de uma vida com mais conforto está concentrada na hipotética venda da ninhada de China, a invicta pit bull. Dessa venda depende a entrada de dinheiro que avalize um estágio desportivo a Randall e permita a Skeetah mais cães para lutar.
Será com a chegada do furacão que tudo muda. Katrina é o catalisador de todas as transformações.
Já depois da tempestade, Esch pensa no rasgo da realidade:
“De repente, abre-se um abismo entre o agora e o então, e pergunto-me para onde foi o mundo onde se desenrolou esse dia, porque nós não estamos nele”
A mudança em Nova Orleães é acompanhada da alteração de ritmo da prosa; até aí melancólica, esta fica mais rápida, demonstrando a capacidade da autora na utilização de diferentes estratégias narrativas. A coloquialidade nos diálogos dota o texto de maior realismo e capacidade de sugestão.
Seja através da melancolia ou da violência, a destruição, a resiliência e a reconstrução estão sempre presentes na obra de Jesmyn Ward.

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=737104

No Coração da TempestadeNo Coração da Tempestade by Jesmyn Ward
My rating: 3 of 5 stars

O meu texto sobre "No Coração da Tempestade", de J. ward, para o Diário Digital

http://oplanetalivro.blogspot.pt/2014...




View all my reviews

Sem comentários:

Recent

Random