Latest News

quarta-feira, 8 de abril de 2015

FESTIVAL LITERÁRIO DA MADEIRA: "70 poemas para Adorno" e "Endless"


A linguagem do horror

Por Mário Rufino
A linguagem do horror

Recalcular o valor negociado pela sociedade sobre o Belo faz-se com violência.
No Festival Literário da Madeira, o “Grupo Dançando com a Diferença” levou ao palco um manifesto contra a vergonha inerente à deficiência.
No Teatro Baltazar Dias (Funchal), a peça “Endless”, criada por Henrique Amoedo, desvendou-se, sem pudor, perante a observação dos espectadores que lotaram a sala.
Em simultâneo, a Editora Nova Delphi editou “70 poemas para Adorno”, com prefácio de Gonçalo M. Tavares e ilustrações de Alex Gozblau, com o objectivo de apoiar financeiramente, através da receita de vendas, o “Grupo Dançando com a Diferença”.
O grupo de dança inclusiva incorpora a deficiência numa linguagem física e musical. Não há complacência nem romantismo. O grupo é um só corpo composto pelas suas regularidades e irregularidades.
O grotesco, em “Endless”, não pertence à imperfeição física e visível, mas antes à inteligência doutrinal de uma casta que se queria pura.
A ideologia com base no domínio e purificação tem várias línguas, culturas e territórios. O homem, transformado em máquina, isola o inaceitável em Gulags ou campos de extermínio.
No palco do teatro, o horror fez-se de corpos a cair, derrotados pelo ciciar do gás ou pelo repetitivo estalar dos disparos.
A grande diferença esteve na divisão entre vivos e mortos, exterminadores e exterminados, pó e carne.
“Estes são os campos/onde a cinza de homens era/ o único adubo” (versos de Daniel Jonas).
A linguagem, na sua plural manifestação, tenta traduzir o horror perante o extermínio. E falha. Só se consegue aproximar, seja na dança ou na poesia.
Os 70 autores presentes em “70 poemas para Adorno” confrontaram-se também com a impossibilidade da linguagem espelhar o horror do holocausto.
“Esta é a história da nossa indiferença/ e é preciso que o poema fale de dor// ficar calada não é escolha” (versos de Maria Lolita Sousa).
Eis a grande luta do Homem desde a invenção da Linguagem: capturar numa forma a totalidade do sentido, a solidão do indivíduo, o incompreensível, o invisível e o etéreo. O fracasso é ostensivo, mas a tentativa é intrinsecamente humana.
“Deus arranja-me uma nova linguagem/para criar um novo mundo,/dissolvidas as formas, os rostos e as mãos/Dá-me uma nova linguagem que esta já não serve/nem mesmo a mudez ou o silêncio./Tudo está gasto.” (versos de Joana Emídio Marques)
O filósofo alemão Theodor Adorno (1903-1969) interrogou-se sobre a possibilidade de se escrever poesia depois de Auschwitz. As fábricas de morte teriam eliminado o encanto da arte. O silêncio criador foi dominado pelo silêncio da morte. Mas enquanto houver Homem há linguagem. E enquanto houver linguagem o Homem tentará descobrir as fronteiras do sentido e, em consequência, os seus próprios limites.

No septuagésimo aniversário da II Guerra Mundial, a Nova Delphi apresenta 70 traços viscerais que desenham uma imagem aproximada do incompreensível horror do extermínio tanto da dignidade como do corpo.


Mário Rufino


http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=767311

Sem comentários:

Recent

Random